sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

A importância da lateralidade na musculação

Em inúmeros casos, as pessoas desenvolvem padrões errados de movimento, por não terem uma boa simetria. Veja neste artigo mais sobre a questão da lateralidade na musculação!

lateralidade na musculação

Muito mais do que apenas deixar “sarado (a)” a musculação pode ter um grande fim terapêutico. Praticamente todas as pessoas tem algum padrão de movimento alterado, salvo raras exceções. Este tipo de padrão alterado pode ter origem em inúmeras circunstâncias. Em determinados casos, a utilização de exercícios específicos é o mais indicado. Neste contexto, a utilização correta da lateralidade é muito importante!

De uma maneira geral, podemos usar diversas estratégias para corrigir problemas de desenvolvimento anormal de determinados músculos de nosso corpo. Praticamente todos os músculos podem ser trabalhados de maneira unilateral ou bilateral (salvo algumas exceções). Neste sentido, é muito importante que o treino de musculação seja visto com um conceito de lateralidade.

Antes de mostrar determinados casos, é importante entender o que é a lateralidade aplicada a musculação!

Lateralidade na musculação, veja como ela afeta sua postura e rendimento

Se formos buscar a definição de lateralidade, teremos que passar pelas questões de psicomotricidade. A lateralidade é definida como a correta utilização de ambas as extremidades do corpo. Aplicando este conceito a musculação, iremos ver que em dados casos, o trabalho especifico para cada lado é muito importante para corrigir assimetrias e desvios posturais.

Mas engana-se quem pensa que basta apenas executar determinados movimentos de maneira unilateral. Antes disso, é preciso que tenhamos uma análise completa da postura e dos potenciais de cada pessoa. Para isso, somente um profissional, geralmente fisioterapeuta ou educador físico, é que pode realizá-lo.

Para exemplificar, irei mostrar algumas situações e de que maneira a utilização da lateralidade na musculação pode auxiliar!

Situações onde devemos usar um trabalho específico de lateralidade na musculação

De uma maneira geral, nossos membros não são simétricos e temos diferentes potenciais de produção de força. Com o treinamento correto, temos como corrigir isso. Um iniciante, por exemplo, na grande maioria dos casos tem dificuldades em manter uma simetria entre membros. Por isso, o mais indicado para quem está começando a treinar, é usar exercícios com halteres, já que desta forma, a força de um membro não influencia no outro.

Por exemplo, se um iniciante for executar um exercício como o tríceps testa, o ideal é iniciarmos com halteres, para somente depois de um desenvolvimento dos membros, é que teremos uma melhor consciência corporal para utilizar o movimento com barra.

É lógico que isso não é regra, mas no geral, os exercícios com halteres são mais indicados para que possamos ter uma melhora no desenvolvimento da lateralidade e consequentemente, da consciência corporal (como já mostramos em outro artigo).

Mas não é nos iniciantes que a lateralidade se faz mais importante, mas sim em casos específicos. O número de pessoas com casos como escoliose e outros desvios posturais, que precisam de um trabalho bem específico.

Por exemplo, alguém que é diagnosticado com algum grau de escoliose, precisa desenvolver de maneira mais acentuada a porção mais enfraquecida de seu dorsal e melhorar a flexibilidade do lado mais “forte”. O mais indicado sempre é o tratamento com um fisioterapeuta, mas a musculação pode ser de grande ajuda para a melhora deste quadro.

Se formos entrar mais na questão estética, teremos então uma importância ainda maior do trabalho de lateralidade. Para isso, o olhar clinico do treinador é fundamental. Muitas vezes, as pessoas não desenvolvem um físico harmonioso, sem a simetria buscada.


Por exemplo, alguém que tenha desenvolvido mais um peitoral do que outro, tem que realizar um trabalho específico. Mas isso é bem mais complexo do que apenas executar um treino apenas para a porção mais enfraquecida deste músculo. Antes de tudo, temos que identificar qual a razão para que o peitoral não tenha se desenvolvido de maneira igual.

Em inúmeros casos, o peitoral não se desenvolveu porque musculaturas auxiliares, como o deltoide e o tríceps, apresentam assimetrias. Neste caso, de nada vai adiantar ficar executando exercícios como o supino com halteres. O primeiro passo é ajustar a postura e fortalecer os músculos auxiliares.

O mesmo vale para qualquer outro grupo muscular. Além disso, temos que identificar qual é de fato o problema que o lado mais enfraquecido apresenta. Pode ser falta de força, de coordenação motora ou de consciência corporal.

No caso de falta de força em um dos lados, que é muito comum no lado não dominante, tem que ser desenvolvida com treinos específicos, com cargas e números de repetições específicos para esta finalidade. Cada caso tem suas particularidades, mas geralmente deixamos de treinar o lado mais fortalecido, para que possamos alcançar a igualdade na produção de força.

Nos casos de falta de coordenação motora ou consciência corporal, temos que usar repetições unilaterais, com menos carga e mais repetições (evitando ir até a falha).
Perceba que quando entramos na questão da lateralidade na musculação,temos um contexto amplo e bastante especifico para cada caso.

Isso mostra que muito mais do que apenas hipertrofia, a musculação é uma modalidade antes do que qualquer coisa, funcional. Para isso, é fundamental o acompanhamento de um professor/treinador, atualizado e estudioso. Sem isso, não apenas seu físico se desenvolverá de maneira assimétrica, dando a sensação de falhas posturais e morfológicas, como também aumentará a propensão a lesões, devido as compensações que o corpo realizará. Bons treinos!


Fonte: Treino de Mestre

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog