segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Bodybuilding – A Nova Geração

Bodybuilding – A Nova Geração 

Sei que ao escrever este artigo posso estar a atingir algumas pessoas mais frágeis. Desde já quero esclarecer que não tenho qualquer intuito de denegrir quaisquer tipos de crenças. O intuito prevê focar-se no que sempre funcionou, e no que funciona com base científica. Talvez presentear com uma forma diferente (há muito descoberta que de diferente não tem nada) de ver as coisas para aqueles que assim pretendam e tenham a mente mais aberta.
Acontece que com esta nova geração de lifters, de Mr. Olímpias, de crenças foram perdidos alguns “valores”.
É comum ver nas redes sociais, ou em artigos frases como “Treina o músculo não o ego” “A carga não é relevante para ganhar músculo” “Não é necessário usar pesos pesados para ganhar massa muscular”

Entre outra catrefada de balelas, que para fazerem sentido é preciso mais investimento e saúde do que a maioria tem para oferecer a este tão amado desporto.

Não discordo na totalidade de tais sentenças, efetivamente em determinados biótipos e com determinadas variáveis, pode ser perfeitamente real. O que acontece é que para 90% da população normal é pura ilusão. Para os outros 10% honestamente acredito que poderiam melhorar se as cargas causassem efetivamente alguma resistência! Mesmo competitivamente, cada vez mais internacional e até talvez nacional, se perdeu aquela densidade, aquela profundidade, aquele beef muscular Dorian Yates style, visto apenas em bodybuilders que treinavam com pesos pesados!
 


Ok, temos menos lesões, pois! Talvez o único desporto onde é permitido sacrificar tal coisa, fazer as pessoas acreditar em algo tão surreal e perder algo tão preciso.

Contudo, isso é o menos. Iludir a maioria das pessoas que vão continuara fazer progressos e obter resultados a treinarem para aquecer, digno de uma fisioterapia, já chega!

Eu sei, e também vejo os vídeos dos atletas que esta nova geração tanto gosta de dar como exemplo, a treinarem com cargas aparentemente leves. Até os que aparentam treinar com cargas aparentemente leves metem 3 bolachas (e bolacha é 20kg) de cada lado, e 3 bolachas de cada lado só é aparentemente leve para eles que estão um nível completamente fora do normal.

Mas permitam-me dar como exemplo alguns atletas que chegaram onde chegaram com uma genética não tao boa como um Phil Heat:Dorian, Branch, Cutler, Evan, justin harris, Milos, são apenas alguns exemplos.



Sei que pode haver a ideia que alguns não treinam com cargas altas, no entanto a mim parece-me apenas que não são tão fortes. 3 Ou 4 bolachas pesam o mesmo aqui ou em qualquer parte do mundo, para mim ou para qualquer um no mundo, ferro é ferro.

Não posso deixar de mencionar o maior freak de todos os tempos, o Ronnie, que aliou a genética à carga!

O único nesta lista que não usa cargas pesadas é o Milos, e minha gente até hoje só vi 2 atletas a treinar ao nível do Milos, o Edgar Gomes e o Carlos Rebolo.
Tive o prazer de fazer alguns treinos com o Edgar Gomes e provavelmente morri logo no começo.
A intensidade, o volume, o desgaste do tipo de treino ao estilo Edgar gomes é outro nível, um nível diferente, um nível acima de qualquer um que está a pregar que não é necessário treinar com muita carga para obter resultados.

Mesmo assim, faço um apelo. Refiram-me um único atleta sem genética, que tenha obtido resultados visíveis a treinar com cargas sub-máximas? Outro ponto interessante, natural ou super compensado, retirando alguns freaks genéticos, é pouco comum ver alguém a fazer 200kg de supino ou 200kg de agachamento ou 250kg de deadlift.

Existem várias formas como julgo que a maioria sabe, de gerar hipertrofia muscular, no entanto o aumento da carga progressiva deve ser o mais básico.

Acredito que todas as formas tem o seu lugar, e a sua forma de aplicação, no entanto já chega de ver as pessoas nos ginásios a não fazerem mais uma repetição, a não suarem, a não se esforçarem e a continuarem a perguntar porque não tem resultados se o X, Y ou Z pro faz isso e o Zé Manuel Da quinta disse que não é necessário treinar com carga, para treinar o músculo não o ego! 



Vamos ser claros, a maior parte da malta nos primeiros 2, 3 anos de treino, nem consegue ter uma conexão mente músculo o suficientemente desenvolvida para sentir a contração muscular, sem ser nos bíceps, quanto mais treinar com cargas ultra leves, em treinos ultra sedentários. É necessário utilizar cargas que representem resistência muscular para que exista progresso, é necessário utilizar os vários métodos para que o progresso seja continuo! Fuck!! É necessário suar!!!

Ninguém consegue aumentar a carga eternamente, nem aumentar os exercícios, nem reduzir o tempo de descanso, nem seja o que for, de forma progressiva eternamente. Variar é o segredo, e variar implica utilizar carga!!!

Eu sei que muitos que escrevem que a carga não é importante, referem-se aos que querem passar de 20kg para 50kg e destroem toda a técnica. Efetivamente tem toda a razão e estou de acordo. Destruir toda a técnica é errado! 



No entanto ao escrever algo desse género, aliado aos novos mr. Olímpias e às novas crenças de pesos sub-máximos, gera uma panóplia de pessoas a obterem zero resultados, a fazerem zero progresso ao longo dos anos e a pensar que existe alguma fórmula magica que vá substituir o trabalho árduo no ginásio.

É para essas pessoas que dirijo este artigo. É necessário esfoçarem-se, é necessário baterem o último treino e sempre o ultimo treino!

É necessário progredirem seja no que for, carga, intensidade, volume, em todos!
Os resultados não vão aparecer de forma fácil e quanto mais avançado, mais preparado se estiver, mais difícil vai ser.

Destruir um pouco da técnica também pode ser uma ferramenta. A maior parte dos mais fortes do mundo tem uma técnica menos boa e isso não impede de serem os melhores do mundo e ninguém vai la apontar o dedo, “o teu joelho foi mais para a esquerda”, “devias levantar a cabeça”.
Na utilização de cargas perto do red line, é natural que a técnica sofra, pelo menos para a maioria dos mortais! 


O mesmo acontece com o crossfit.  “Porque não estão a fazer a técnica como deve ser, ai não! Então faz lá o exercício, a quantidade de vezes que eles estão a fazer com a técnica perfeita!
Obviamente , a execução da técnica na sua perfeição deve ser sempre a prioridade de qualquer atleta, “but a man get to do what a man got to do”!

Se tivesse de resumir este artigo com uma frase, “tu precisas de destruir para construir”, não é fácil destruir nada que cada vez que se reconstrói se adapta, torna mais forte! 



Fonte: In Shape

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog