quarta-feira, 9 de setembro de 2015

O tabaco interfere nos ganhos de massa muscular?



Atualmente sabe-se que o tabagismo é um grande fator de risco para as doenças cardiovasculares, doença pulmonar obstrutiva crónica, cancro do pulmão e outros problemas de saúde, tais como cataratas, pneumonia, cancro cervical e ainda cancro dos rins, pâncreas e estômago.

Embora o número de fumadores tenha vindo a diminuir ao longo das últimas décadas, a prevalência do consumo de tabaco ainda é bastante elevado, sobretudo no Reino Unido e na Europa, mas também no resto do mundo desenvolvido.

É sabido que uma boa parte das pessoas que frequentam o ginásio, praticam desportos e/ou que são praticantes de musculação também são fumadores habituais, mas será que este hábito prejudica os ganhos de força, de hipertrofia muscular e a capacidade física em geral?

Menos força e resistência

Num estudo realizado em 2012 e no qual participaram 350 membros das forças armadas da Croácia, ficou comprovado que os fumadores sofrem uma redução das suas capacidades físicas.

Dos 350 indivíduos, 175 eram fumadores e os restantes 175 não fumavam. Os investigadores os militares a realizar o maior número possível de flexões em 2 minutos; o maior número de sit-ups em 2 minutos; e o maior número possível de elevações na barra.

tabaco massa muscular

Como pode ver nas tabelas acima, os fumadores tiveram um desempenho significativamente mais reduzido em todos os exercícios, em comparação com os não fumadores.
Para além também se observou uma redução da capacidade cardiorrespiratória ou um desempenho mais reduzido num teste de resistência aeróbica.

Outro estudo, no qual participaram militares dos EUA, obteve resultados bastante semelhantes, sendo que, em comparação com os não fumadores, os fumadores realizaram um número inferior de repetições em exercícios como o curl-ups (um exercício de abdominais) flexões.

Também neste caso os militares que fumavam com regularidade tiveram um pior desempenho num teste de capacidade aeróbica, tendo obtido um tempo de caminhada/corrida (2,4 km) inferior ao dos militares que não fumavam.

Os investigadores verificaram ainda que, ao longo de 4 anos, os fumadores sofreram uma redução significativa da sua capacidade cardiorrespiratória.

Outros estudos confirmam estes dados e revelam-nos que a o tabagismo está associado a um menor rendimento desportivo, nomeadamente a uma redução da resistência, da capacidade cardiorrespiratória, da força muscular e ainda da flexibilidade, tanto em indivíduos normais como em atletas.

Atrofia muscular

Um estudo comprovou que o fumo do tabaco reduz de forma significativa a síntese de proteína muscular, tal como pode observar na tabela abaixo.síntese de proteína

Ficou ainda comprovado que o tabagismo aumenta de forma notória a expressão de miostatina e de MAFbx no tecido muscular e ainda o risco de sacropénia.

miostatina


A miostatina e a MAFbx são genes que estão estreitamente associados ao catabolismo muscular, à inibição do crescimento muscular. (54) A sarcopénia é a perda de força e de massa muscular associada ao envelhecimento.
Verificou-se também o tabagismo também provoca uma redução do fluxo sanguíneo no músculo-esquelético, o que por sua vez diminui o transporte e entrega de aminoácidos aos tecidos muscular.
Os investigadores teorizam que esse poderá ser um dos mecanismo que explica a supressão da síntese de proteína muscular nos indivíduos fumadores.

Inflamação e danos musculares

Para além de provocar atrofia muscular, o fumo do tabaco também provoca danos musculares. Biopsias musculares realizadas em fumadores revelaram a existência de vários danos estruturais, danos metabólicos e um aumento da degradação da proteína (proteólise), em comparação com indivíduos não fumadores (9).
Esses danos parecem ser provocados sobretudo por um aumento do stress oxidativo nos tecidos musculares e também devido a um agravamento da inflamação sistémica.
Suspeita-se que o aumento do stress oxidativo é o principal responsável pelo desencadear do catabolismo e dos danos musculares que ocorrem após a exposição ao fumo do tabaco .

Conclusão

Ficou comprovado que, para além de aumentar o risco de vários problemas de saúde, o tabagismo provoca os seguintes efeito indesejáveis:
  • Perda de força
  • Perda de resistência muscular.
  • Diminuição da capacidade cardiorrespiratória.
  • Atrofia muscular.
  • Danos musculares.
Tendo em conta estes dados, o tabagismo deverá ser uma prática a evitar, sobretudo para os atletas, que precisam de estar na sua melhor forma física, mas também para todos aqueles que pretendem ganhar força, maximizar a hipertrofia muscular, ganhar resistência, manter os níveis de elasticidade ou simplesmente manter o sistema músculo-esquelético em boa forma.



Fonte: Musculação.Net

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog